/

lyrics

A última rua em que eu andei
Era um espelho meu
Vi um fantasma ali
Tentando refazer

A ultima vez, o ultimo ano,
O último refrão
E enfim fugir de mim,
Mesmo que em vão

A sensação de ver tudo girar
Me faz lembrar de quando eu caí do céu
O peso nas costas ao tentar se levantar
Um tiro no escuro, a luz que rasga o véu

-Essa é a sensação que fica depois de anos jogados no triturador
-O desconfortável comodismo de crescer em meio aos monstros é a morfina feita da própria dor

Difícil respirar
Com a corda bloqueando o ar
Difícil alcançar
O teto, a cadeira ou o chão

Me reencontrar com o perdido Eu
E atormentar o abismo que me concebeu

Entrelaçar os dedos entre os medos que eu já vivi
Me faz perder a fé lembrar de quando eu caí
Tropeçar no nada fere a cada dia mais
Cada degrau da escada há uma placa "aqui jaz..."

-Impossível me encontrar sem perder tudo que eu sou ou que eu quero ser
-Dentro do bolso da minha camisa

Qual a distância segura pra acertar
Um alvo que não para de se mexer?


Enxergo só o que eu não devo ver
Me cego aos meus próprios olhos
Faço o que não devo fazer
Me sinto só

O peso de estar vivo,
Ter que continuar
Me faz cair por terra
Quando eu devia voar (e eu caio)

Fingir por mais um dia
Que o vaso se quebrou
O arrepio que o vento traz
Das palavras que ninguém falou

É o desespero que aperta
Os ossos
E me faz sentar nessa cadeira
Onde é sempre cedo

credits

from Mens Sana In Corpore Sano [EP], released June 4, 2015

tags

license

all rights reserved

about

eternoretorno Santo André, Brazil

Melodic hardcore band from São Paulo City area, Brazil.

contact / help

Contact eternoretorno

Streaming and
Download help

Redeem code